PROJETO SEMPRE VIVAS MUCUGÊ - CHAPADA DIAMANTINA MUCUGÊ - PROJETO SEMPRE VIVAS - INFORMAÇÕES TURÍSTICAS - GUIA DE TURISMO DE MUCUGÊ

PROJETO SEMPRE VIVAS MUCUGÊ - CHAPADA DIAMANTINA MUCUGÊ - PROJETO SEMPRE VIVAS - INFORMAÇÕES TURÍSTICAS - GUIA DE TURISMO DE MUCUGÊ

O Projeto Sempre Viva Mucugê, Chapada Diamantina, BA

Localizado no município de Mucugê, Chapada Diamantina - BA, o Projeto Sempre Viva, é o mais bem sucedido projeto da linha PED- Projetos de Execução Descentralizada, firmado pelo convênio MMA/PNMA/PED 96CV 00027/96, que integrou várias esferas do poder público, na construção de tecnologias e infra-estrutura para gestão dos recursos naturais, sendo os parceiros: o Ministério do Meio Ambiente, o Governo do Estado da Bahia, a Universidade Católica do Salvador, a Universidade Estadual de Feira de Santana, a Caixa Econômica Federal e a Prefeitura Municipal de Mucugê, que se empenharam para preservar e reproduzir uma variedade de sempre viva ameaçada de extinção, a Syngonanthus mucugensis Giulietti, ou sempre viva de Mucugê, implantando um moderno sistema de informação geográfica, proporcionando educação ambiental para escolas, implantando o Parque Municipal de Mucugê e promovendo o ecoturismo, com a preocupação de preservar o meio ambiente do município de Mucugê onde se tornou, um Centro de Excelência para a conservação da Chapada Diamantina, implicando na geração e distribuição de renda, qualidade de vida da população e servindo de modelo de sustentabilidade para o Brasil e para o Mundo.

O município de Mucugê localizado na microrregião da Chapada Diamantina surgiu por volta de 1844, quando foram descobertas jazidas de diamantes nos leitos dos seus rios, provocando uma desenfreada corrida em busca de pedras preciosas, que mais tarde deu origem ao Ciclo Diamantífero que durou por mais de um século. O município possui uma área de 2.535 km² e apresenta uma população de aproximadamente 17.000 habitantes. A sede do município, devido um conjunto arquitetônico bem preservado e suas características coloniais, onde inclui a mais nobre relíquia do ciclo do diamante, o Cemitério Santa Isabel em Estilo Bizantino, único do Brasil a ser tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (ISPHAN, 1980). Mucugê também abriga 52% do Parque Nacional da Chapada Diamantina com grande potencial turístico natural e histórico.
 Com o declínio do Ciclo Diamantífero, a coleta das sempre vivas exportadas principalmente para o Japão, Estados Unidos e Europa, tornou-se a principal atividade econômica das populações carentes de Mucugê e de seu entorno, que durou por mais de trinta anos. Devido a uma atividade de extração sem controle, a espécie foi dizimada em muitos campos, pondo em risco de extinção esta planta.  Assim, o Projeto Sempre Viva veio com o propósito de proporcionar uma atividade de reprodução, suficiente para criar uma alternativa na geração de renda para a população carente, através do artesanato com caráter sustentável, econômica e ambientalmente, garantindo a sobrevivência da espécie, repovoando os campos onde a espécie quase que desapareceu.
A área de preservação do Parque é estratégica para o abastecimento hídrico do Estado, (Rio de Contas e Paraguaçú), constituindo a principal área de carga destes mananciais e apresenta fatores relevantes como espécies endêmicas. Este Parque é um produto do Projeto destinado a proteger ecossistemas de Refúgio Ecológico Montano de vegetação rupestre de domínio fitofisionômico, que apresenta uma espetacular flora descrita por Magalhães (1966, citado por Standard, 1995), cuja ocorrência é restrita a locais altos e de temperaturas frias. Em 1996, Harley & Simonns, estudaram e caracterizaram a flora de Mucugê, apresentando para a comunidade científica, a grande importância da área para os estudos botânicos. Nesta região ocorre um fenômeno raríssimo que os ingleses denominam de “species pump” dos campos rupestres, expressão que significa bomba geradora de espécies.

O Parque abriga ainda, um alto grau de endemismo, e diversos registros históricos do período diamantífero que ocorreu no Município de Mucugê. O trabalho árduo de uma massa de mão-de-obra em busca do diamante na Serra do Sincorá resultou em trilhas, tocas, muralhas e outras construções, alterando todo o relevo da região. Hoje, esse local revegetado naturalmente, compõe um belo cenário paisagístico e constitui um patrimônio histórico para o município. As cachoeiras do Tiburtino e Piabinha formam um belo conjunto cênico (entre os canyons formados nos leitos dos rios, muito típicos da Chapada Diamantina), representam atualmente grandes atrativos ecoturísticos. 
A área que está inserida este projeto corresponde às imediações do Parque Nacional da Chapada Diamantina, onde são encontrados ecossistemas peculiares associados a patamares de altitude, com cotas superiores a 1.200 metros, cuja vegetação predominante associa-se a campos de altitude (gerais) e domínios rupestres, conceituado por Clements (1949, citado pelo Governo do Estado da Bahia, 1993) como "Comunidade Relíquia", e por Veloso & Goes-Filho como "Refúgio Ecológico".

·        

75) 3338-2156 (Telefone)

·          No km 92 da BA-142 fica a sede do projeto criado para preservar a sempre-viva - flor típica da Chapada, ameaçada de extinção. A visita, que custa R$ 5, inclui o laboratório de pesquisas, onde há várias espécies, e a trilha em direção às cachoeiras do Piabinha, de cinco minutos, e do Tiburtino, de 25 minutos. No caminho para as quedas fica uma parte do Museu Vivo do Garimpo, que conta a história da extração de diamantes na região. A outra parte, no km 93,5, é uma “toca”, antiga moradia de garimpeiros feita de pedras.

Para visitar o Projeto Sempre Viva em Mucugê não precisa de guia, tem informações no local, é fácil o acesso.

Mais nformações no site, link abaixo:

www.projetosempreviva.com.br/institucional_oprojeto.html

Cachoera do Tiburtino Mucugê - Chapada Damantina Bahia