GRUTA DA TORRINHA - IRAQUARA - CHAPADA DIAMANTINA - BAHIA BRASIL - GUIA DE TURISMO IRAQUARA CHAPADA DIAMANTINA BAHIA

GRUTA DA TORRINHA - IRAQUARA - CHAPADA DIAMANTINA - BAHIA BRASIL - GUIA DE TURISMO IRAQUARA CHAPADA DIAMANTINA BAHIA

Gruta da Torrinha - Iraquara Chapada Diamantina - Bahia

Místicos, paleontólogos, geólogos ou simples apreciadores da sábia escultura natural não podem deixar de visitar Iraquara. A região abriga uma vasta gama de grutas para todos os gostos.
Uma bela dolina precede a entrada da Lapa Doce. O complexo abriga, na verdade, as grutas Lapa Doce I, II e III, mas somente esta última é aberta à visitação, sempre com grupos de no máximo 12 pessoas e acompanhadas por um guia. Dentro da gruta, formações de rara beleza pinceladas pela natureza ao longo dos anos. Os tons avermelhados da argila contrastam com a brancura da calcita em um cenário exclusivo da Lapa Doce III. Na Fazenda Pratinha, de propriedade particular, aberta a visitação com pagamento de taxas de manutenção.

Escavada pelo rio Pratinha, quando este deixa de ser subterrâneo e aflora à superfície, a gruta de mesmo nome tem características das regiões calcárias, um tom azulado singular e águas puramente cristalinas. A beleza salta aos olhos do visitante. No seu interior, galerias inundadas dão acesso à Gruta Azul, mas para mergulhar é exigido certificado do curso de mergulho em cavernas. Nas águas igualmente cristalinas do rio que corre por fora da gruta, entretanto, o visitante pode nadar à vontade, curtindo a rica fauna e flora subaquáticas, e rodeado da natureza em seu esplendor. Ao longo do leito do rio, micro búzios lembram areia fina em meio a uma vegetação típica da caatinga, com palmas que descem até quase chegar à água. O local dispõe de uma boa infra-estrutura de apoio com bar, restaurante e sanitários, além do aluguel de equipamentos para mergulho.

Caverna calcárea formada pelo mesmo lençol de águas subterrâneas que emerge na gruta da Pratinha, a Gruta Azul é agraciada pelos raios de sol que, ao atingirem o pequeno lago repleto de minerais no interior da caverna, conferem um colorido especial, em tons azulados, num verdadeiro espetáculo visual. Não é permitido nadar dentro da gruta.

Considerada a nona maior gruta do Brasil e a mais ornamentada da região das cavernas visitáveis na área de Iraquara, a Torrinha apresenta pinturas rupestres e diversas curiosidades geológicas ao longo dos seus 12,5 Km de extensão. Raros espelotemas como helictites, canudos de cristal e de gipsita de até 60 centímetros de comprimento são presença fácil no seu interior. A caverna abriga, também, a 2ª maior flor de aragonita (formações semelhantes a flores de vidro) de todo o mundo. Existem três roteiros para visitação. No 1º, apenas as formações básicas da caverna. O 2º dá acesso às formações conhecidas como vulcão e a bolha de calcita, com flor de aragonita. Mais completo, o 3º abre acesso ao salão branco e às raras helictites com flor de aragonita na ponta. O visitante deve ter bastante cuidado, devido à fragilidade dos espeleotemas, portanto, nada de toca-los e nem pensar em elevar o tom de voz.

A história de Iraquara começa a mais de 12 mil anos quando, por este sitio passaram muitos povos pré-históricos, nômades das mais variadas regiões, hoje conhecidas como Goiás, Pernambuco, Além São Francisco, Minas Gerais e outras tantas.

Deixaram aqui a marca de suas presenças através de pinturas rupestres, fósseis e registros arqueológicos encontrados nas grutas e abrigos abundantes, originados pela formação calcária do subsolo.

Os colonizadores começaram a chegar à região na metade do século XIX, atraídos pelo diamante da região, formando garimpos que deram origem a muitos povoados, sendo que em Iraquara os principais são a antiga Parnaíba, hoje Iraporanga, a Vila do Riacho do Mel, Água de Rega, Canabrava e Estiva, hoje Afrânio Peixoto situada no município de Lençóis.

A exploração do ouro e do diamante fez surgir uma estrada que cortava a Chapada Diamantina no sentido norte/sul ligando Jacobina a Rio de Contas e passando pelos municípios de Iraquara e Seabra. Ela é conhecida como Estrada Real e está em via de ser tombada como patrimônio histórico. Estes caminhos eram utilizados pelos tropeiros que faziam o comércio da região e pelos "boiadeiros", que transportavam o gado pela estrada que recebeu o nome de Estrada Boiadeira.

O caminho por onde passa a Estrada Boiadeira tinha paradas tradicionais como a Vila de Cochó do Malheiro em Seabra, Riacho do Mel, Estiva, Campo de São João e Iraporanga, que possuem um agrupamento de casas de valor histórico relevante, dignos de tombamento.

A descoberta de diamantes nestas paragens fez desenvolver estes povoados que hoje conservam a ambiência colonial, os costumes e hábitos de uma gente hospitaleira e amiga.

Outro fator que definiu a ocupação do homem colonizador no município de Iraquara foi a fertilidade do seu solo vermelho, e a ocorrência de água nos vales e cavernas da região. A descoberta de um poço com água abundante no leito do Riacho Água de Rega, por um tropeiro chamado Manoel Félix fez surgir um povoado, que posteriormente tornou-se a cidade de Iraquara.O maior acervo espeleológico da América do Sul, ou seja, a maior concentração de cavernas está sob o território de Iraquara. A gruta da Pratinha, da Lapa Doce, da Torrinha, de Mané Ioiô e da Fumaça são as principais atrações do município que possui um subsolo com grande teor de calcário. Na língua tupi, Iraquara significa "pote de mel, poço de mel ou riacho de mel".

A riqueza do folclore, representado pelos Ternos de Reis e Reisados, completa o seu patrimônio cultural, ao lado das festas populares que acontecem o ano inteiro, com destaque para o São João antecipado; as festas da padroeira Nossa Senhora do Livramento; de Santo Antônio; de São José; de São Judas Tadeu; de São Pedro; Senhora Santana; Senhor do Bonfim e o Carnamel, Carnaval do Riacho do Mel.

Parte do território de Iraquara está protegido na APA Marimbus-Iraquara com 125,4 mil ha numa região limítrofe ao Parque Nacional da Chapada Diamantina. É caracterizada pelo grande número de cavernas calcárias e pela formação lacustre conhecida como Marimbus. A Lapa do Sol, a Lapa do Caboclo e o Abrigo Santa Marta são sítios arqueológicos que se destacam pela ocorrência de inscrições rupestres, atestando a presença humana na pré-história brasileira.

O roteiro das grutas é o mais frequentado. O mergulho, para quem é expert nesta prática, é uma atração imperdível no interior da caverna interligada à Gruta Azul por um canal subaquático de 330 metros. As formações raras datam de 700/900 milhões a 1/1,7 bilhão de anos. Iraquara fica a 427 km de Salvador. 

Considerado o maior do gênero no Brasil, o Parque Espeleológico de lraquara concentra centenas de cavernas. Ali se desenvolvem pesquisas cientificas paleontológicas, biológicas e antropológicas. Nessa região. encontratam-se fósseis de preguiças gigantes e de tigres de dente-de-sabre.

Pinturas rupestres em cavernas como a Lapa do Sol e a Abrigo de Santa Marta (fechadas à visitação), estão sendo objetos de estudo. A fauna do lugar inclui jaguatiricas, onças e veados.

Gruta da Lapa Doce - Essa caverna onde vivem espécimes raros, como o bagre cego e albino, faz parte do complexo denominado Lapa I. II e III.

Gruta da Pratinha - O acesso é feito através de um rio com equipamento de mergulho e acompanhamento de um guia. Dentro da gruta há grande diversidade de espeleotemas (formações minerais), como agulhas de gipsita e flores de aragonita. Algumas das mais interessantes podem ser vistas no Salão do Sino e no Salão dos Vulcões. Depois do passeio, pode-se nadar nas águas cristalinas do rio Santo Antonio, divertir-se na tirolesa ou comer peixe nos restaurantes próximos.

Gruta Azul - Lago de águas transparentes e azuladas formadas pelo subterrâneo da Gruta da Pratinha. O cenário toma-se ainda mais belo 10 horas e 15 horas, quando os raios de sol batem no interior da gruta. O mergulho deve ser feito com cuidado para não desgastar o calcário das pedras.

Bolo de Noiva - Antigamente chamada Buraco do Cão, tem entrada por uma bela dolina. Nesta caverna encontram-se lindas formações de estalagmites e estalactites e uma lagoa, que também faz parte do lençol de água da Pratinha. Para entrar na gruta é necessário descer por rústicas escadas de corda e estar acompanhado por guia.

Gruta da Torrinha - Contém um verdadeiro tesouro em cristais, como agulhas de gipsita - consideradas as mais perfeitas do mundo - e flores de aragonita de beleza ímpar. Parte dela é reservada a pesquisas, mas a área aberta ao público é deslumbrante.

Iraporanga - Este pequeno vilarejo antigo com casarões muito bem preservados é famoso pela boa cachaça produzida em seus alambiques artesanais.

Guia para a Gruta da Torrinha você pode pegar no local mesmo.

Visite a gruta da Torrinha e outras belezas naturais em Iraquara.

www.ibicoara-chapada-diamantina.com/